.

.
Mostrando postagens com marcador Entrevista Nick Mason. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Entrevista Nick Mason. Mostrar todas as postagens

02/09/10

Nick Mason, fala do livro, do filme, seus projetos atuais, imperdível


Entrevista com Ícone da Bateria: Nick Mason

O homem do Pink Floyd fala em aulas de bateria, bigodes e planos do projeto "Antologia Pink Floyd"



Chris Barnes, Tue 31 de agosto de 2010, 0:00 pm BST


Nick mason

© Boesl Hubert dpa / Corbis

Quais foram suas maiores conquistas como baterista?

Fazer parte do Pink Floyd e conquistar espaço e reconhecimento supera qualquer coisa que eu pudesse imaginar. Uma paixão, algo como o automobilismo, porém me ver bem-sucedido neste nicho, é uma indulgência. O grande start sobre a banda é a seriedade como as pessoas se posicionam, o que pessoalmente é muito gratificante. Não baseio o dig

o por um disco de ouro ou um prêmio, como tal, é nesse sentido que você deu respaldo a um monte de gente algo que é muito importante para eles, e isso é realmente muito poderoso. Eu realmente comecei a entender isso com maior transparência, depois que eu fiz o livro (Inside Out: A Personal History of Pink Floyd) e eu

estava excursionando em campanha de divulgação e autografos, porque é muito mais individual. As pessoas querem o livro dedicado a eles, eles falam para você. Particularmente na Europa Oriental, onde rock'n 'roll não era tão fácil como era aqui. Não era uma questão de seus pais, dizendo: "Você chama isso de música, é lixo" - as pessoas realmente sofrem por isso. Você vem longe, percebe esse tipo de coisa, e se torna um pouco mais humilde e consciente de quão importante fazer sentido."

Você está trabalhando em um filme sobre o Pink Floyd. Pesquisando nos arquivos, lembranças provocam algum sentimento em você?

"Oh sim, há muita coisa boa. Ao fazer o livro, eu já passei por um monte de fotografias. Alguns momentos são muito engraçados, vendo o quão ruim o bigode era e como eram grandes as chamas."

Perdoe o trocadilho, mas o que motiva você como baterista?

"Essa volta a uma citação que fiz no ritmo. À metade do mundo é uma piada. A técnica e, quase, ginástica é realmente algo que só tende a ser apreciado por outros bateristas, porque, na verdade, o trabalho no final do dia tende a ser a integração com a banda e fazer aquele som. Tem-se em algumas coisas muito interessantes sobre como as pessoas reagem e o que transmitir. As comparações entre Ginger Baker e Ringo Starr. Ginger verdade não teria sido melhor pessoa para "The Beatles". Existe essa coisa de sensibilidade para a música que muito importante. Isto é esquecido em clínicas de bateria. A resposta é que sempre gostei da coisa de tocar em uma banda, não jogo sozinho. Para mim, a verdadeira emoção é o momento em que o baixista toca, você responde alguma coisa e os outros músicos se encaixam dentro do som "

"Eu sempre gostei da coisa de tocar em uma banda, não jogo sozinho"

Se você pode ensinar a lição mais novo que eu seria?

"Calma, eu tenho aulas. Eu nunca tive instrução e me arrependo disso. Eu acho que é tarde demais, além do mais, seria tão difícil revelar a alguém o quão pobre é minha técnica! Não há absolutamente nenhuma dúvida de que minha recomendação para quem está começando, às aulas. Há uma coisa interessante com o treinamento formal. A música clássica pode reprimir a capacidade de improvisar. Acho que Gary Wallace disse uma vez, é como aprender a ler. Se você não pode ler você pensa " Não li os livros. É muito bom começar esse aterramento. Meu sentimento pessoal é de ouvir o que todo mundo está fazendo também. "


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ShareThis

Roger Waters

 - Brain Damage -
 Pink Days & Fat Old Suns 1973
Hey You - legendado

   

thinkfloyd61 Headline Animator