.

.

13/06/11

David Gilmour At Gibson Amphitheater, Show & Review

David Gilmour VIP Concert Sweepstakes

Na escrita, acho que a qualidade se distingue pela competência em transferir a emoção, independendo do tema, o negócio é se envolver. Das matérias que tive oportunidade de ler, não me recordo de um exemplo semelhante à relação simbiótica do fã com o repórter que tivesse uma caracterização tão expressiva. Espero que os amigos possam compartilhar ou recordar as emoções deste show. De qualquer forma creio que é interessante ver ou ouvir, inteirando-se desta resenha. Não poderia relatar o episódio em todo seu conteúdo como alguém que esteve lá, o que justifica prioridade deste post, entretanto ao meu ver Shawn Perry foi além.  
Bem-vindo a L.A.
Concert Review por Shawn Perry
Gilmour, 20 de abril de 2006,  em concerto no Gibson Amphitheater faria sua última apresentação da turnê norte-americana e, se você fizer as contas, talvez a última vez que o guitarrista se apresentaria nestas bandas novamente. Claro que, como é comum as celebridades do rock, que ele mudasse de ideia voltando para outra rodada. Músicos são fugidios, então nunca se deve tomá-los em depoimentos frente a mídia. Mas algo sobre o tom da turnê Gilmour indicava um clima de definição e finalidade. No final da noite, eu não podia ver como ele poderia reeditar o que eu tinha acabado de presenciar.
Quando cheguei no local, não pude deixar de notar a abundância de "Pink Floyd T-shirts" usadas pelos grisalhos e / ou homens carecas, com barrigas de cerveja enormes. Também vi muitos jovens vestindo camisetas Floyd, o que confirma o recurso da banda, com duração de universal. Jovens e velhos, gordos e magros -, não parecem se importar em qual estação se encontram em suas vidas quando se trata de Pink Floyd. E vamos enfrentá-la: este foi um evento Pink Floyd, mais do que um concerto de David Gilmour. O guitarrista estava muito consciente das dificuldades associadas à escapar da sombra do gigante adormecido. Nesta turnê, com Rick Wright no palco, Gilmour foi muito feliz em harmonizar sua audiência em consonância ao que eles queriam juntamente com o que nunca teriam esperado.
Meu assento era no patamar superior do anfiteatro, mas eu tinha uma visão bastante boa. Na verdade, eu me senti mal perante as pessoas abaixo de mim, porque tinham investido centenas de dólares em lugares que não eram melhores que o meu. Mas o meu lugar estava em ordem e livre do ônus de outros idiotas bêbados que insistem em ficar de pé durante todo o desempenho tentando bater palmas em sincronia com "Shine On You Crazy Diamond", uma canção que não pede uma salva de palmas durante o transcurso. Vi alguns desses em torno do fosso da orquestra.
A varanda, além de sua distância do palco, ofereceu uma outra excelente  desvantagem: era tão abafado quanto uma tenda no deserto do Saara. Muitas pessoas estavam usando cartazes do On An Island  improvisados para se arejar em suas poltronas. Enquanto a noite se abria, tornou-se óbvio que, em 20/04  a multidão era Floydian headspace uma vez que a atmosfera geral era de floração (maresia) com um aroma inebriante entremeando-se sobre a música alegre. Isso não os torna mais frios, sem dúvidas, mas certamente contribuiu para o humor.
Como prometido, o show começou pontualmente às 08:15, o que ocasionou a parte da multidão que chegou tarde um comportamento de semi-pânico, resultando em uma exibição irregular da abertura "Breathe / Time / Breathe (Reprise)"espécie de rapsódia da mostra anterior que tinha o segmento Dark Side  apresentado na segunda parte do programa, mas que ao longo do caminho de Gilmour e sua banda (Wright nos teclados, Manzanera nas guitarras, Dick Parry no sax, Jon Carin nos teclados, Guy Pratt no baixo e Steve DiStanislao na bateria) devem ter sentido a necessidade de misturar as coisas. Ele serviu como um excelente "set-up" a On An Island , que foi tocada na íntegra.
A dupla David Crosby e Graham Nash, que já haviam se juntado a Gilmour no palco em Nova York e no Kodak Theater em Hollywood na noite anterior, surgiu para reprisar seus vocais de fundo na faixa-título. Eles retornariam mais tarde no programa para back vocais em "Shine On You Crazy Diamond" e em que realizaram uma versão a capella de "Find The Cost Of Freedom", uma canção CSNY (tradicional de infância nos EUA), com Gilmour.

Muitas das músicas de "On An Island" tinham um Gilmour extremamente versátil instrumentalmente. Uma hora ele estava tocando uma Stratocaster, a próxima uma Les Paul. Então, ele amarrou um violão, caminhou até o seu pedal steel, e executou alguns licks de guitarra (partes de um solo) angelicais . Durante o "Red Sky at Night", ele prestou sua homenagem ao saxofone, para em seguida, tocar um banjo de loja de brinquedos na a intro de "When I Close My Eyes". Claro, nada se compara ao tom da guitarra etérea de que ele é famoso, não importa qual o instrumento de cordas que estiver desempenhando.
Quando o material clássico foi executado durante o segundo set, foi como subir a bordo de uma maquina do tempo num passeio de emoção. Pink Floyd nivelado com nostalgia e surpresas. No meu infinito conhecimento, eu estava ouvindo a outros shows da turnê e tinha uma boa idéia do que esperar, música sábia. Mas então sacou o primeiro single da banda Pink Floyd, antes mesmo do próprio Gilmour na banda, o velho  "Arnold Layne" de Syd Barrett, com ninguém menos que Rick Wright nos vocais. Eu era transportado de volta para 1967, Wright simplesmente encantou o público em um solo em seu Farfisa.
De lá, Gilmour piscou como mágica  à 1994, com "Coming Back To Life" e "High Hopes", ambos do "The Division Bell" . Muitas das pessoas com quem eu tinha falado antes do show foram muito mais receptivos a este "novo" (como se 12 anos de idade fosse mais recente) material de álbuns posteriores ao "Dark Side Of The Moon". Tudo o que fez "Wot ... Uh The Deal", "Fat Old Sun" e "Echoes" - todos os pré- Dark Side - têm destaques pessoais para mim. Estes foram os números que Gilmour não tinha tocado no palco em outras ocasiões com o Pink Floyd em quase 30 anos.
O bis de "Wish You Were Here" e "Comfortably Numb", junto ao desempenho de "Find The Cost Of Freedom", trouxeram o público aos seus pés, punhos erguidos, cantando no extremo de seus pulmões, isqueiros Bic e telefones celulares içados para o céu em uma formação unida da benevolência e da satisfação.
Na verdade, esse show foi muito mais representativo do Pink Floyd songbook do que o Momentary Lapse Of Reason A e O Division Bell, Tours, os quais incidiram principalmente sobre o material de Dark Side of the Moon em diante. Ainda assim, quando vi pela primeira vez o set list da turnê, eu estava um pouco angustiado que Gilmour fosse renunciar a quaisquer das canções de seus dois álbuns solo anteriores . Adicionando "There's No Way Out Of Here," Murder "ou" All lovers are deranged ", teria mostrado definitivamente que há mais para o guitarrista que seu álbum solo atual e Pink Floyd. Por que nós não estamos obtendo uma imagem completa deste músico multifacetado, é um completo mistério. Como já disse em outra ocasiões, ele é um osso duro de roer.
David Gilmour liveUma vez que a Tour termina com dois shows no Royal Albert Hall de Londres, Roger Waters está definindo as datas para tocar na Europa e na América, relançando Dark Side Of The Moon , em sua totalidade a cada show. Ao selecionar locais, Nick Mason irá, alegadamente, dissecar, tudo o que faz todo o sentido: Gilmour e Wright assim juntos, porque não deveria ter Waters e Mason. É como você estar recebendo as duas metades do Pink Floyd em pequenas porções digeríveis...
Esta manhã, eu comprei bilhetes para a apresentação "Waters no Hollywood Bowl", o local exato onde o Pink Floyd tocou Dark Side Of The Moon, inédito na época, 34 anos mais cedo. Eu comprei os ingressos por parte de check-in na rotinaà chamada e resposta geral a ter lugar entre os membros do Pink Floyd. $ 100, eu estou esperando "performances de Waters, que pode ser vocalmente um desafio às vezes, será a par com Gilmour. De qualquer forma, eu sabia que iria me arrepender se eu passasse . Afinal, está se tornando evidente que flagrantemente 2006 está se moldando para ser um grande ano para fãs de Pink Floyd. E talvez um precursor para coisas maiores e mais ousadas por vir.
David Gilmour em turnê inclui o guitarrista Phil Manzanera (Roxy Music e co-produtor de "On An Island"), o tecladista Richard Wright (Pink Floyd), o baixista Guy Pratt (Pink Floyd, Roxy Music), o tecladista Jon Carin (Pink Floyd) e o baterista / percussionista Steve DiStanislao (Crosby & Nash).
Gibson Amphitheatre
Gibson Amphitheatre
Ticket scan

Set List 1:
Disk 1

Breathe
Time
Castellorizon
On An Island (CUT)
The Blue
Red Sky At Night
This Heaven
Then I Close My Eyes
Band Introduction
Smile
Take A Breath
A Pocket Full Of Stones
Where We Start
Cost Of Freedom (from encore)
Set List 2
Disk 2

Shine On You Crazy Diamond Pts. I-V
Wot's Uh The Deal
Fat Old Sun
Arnold Layne
Coming Back To Life
High Hopes
Echoes
Wish You Were Here (encore)
Comfortably Numb (encore)

Aperitivo
Naquele mesmo dia, algumas horas antes de sua apresentaçãono Gilmour executou duas canções do álbum "On the Island", por parte de seu projeto de divulgação:

David Gilmour And Crew In Conjunction
with NBC's Toyota Concert Series
And The Jay Leno Show

Shop

the tonight show with jay leno 

-    David Gilmour: On an Island

Track Listings: 1. Castellorizon 2. On An Island 3. The Blue 4. Take A Breath 5. Red Sky At Night 6. Thi...











Gibson Amphitheatre

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

David Gilmour


Por gentileza informe links quebrados - Please report broken links

Nome

E-mail *

Mensagem *