.

.

21/06/11

Eloy - Ocean 1977


 Houve um tempo atrás (quase 10 mil anos) uma grande ilha, próspera e bem povoada, os gregos chamavam de Atlantis, situada no Oceano Ocidental, além das Colunas de Hércules, frente ao Atlas da África. E também porque seu primeiro rei foi chamado de Atlas, filho mais velho de Poseidon e da bela Clito. Da linhagem do prolífico deus do mar  originaram-se dez reis, cinco pares de gêmeos. Eles e seus descendentes firmaram poder monárquico e ditaram as leis a um extenso império. Nas planícies centrais da grande ilha, maior que a Líbia e a Ásia Menor juntas, se alçava uma colina e nela a esplêndida cidade de Atlântida. Estava rodeada por vários anéis de terra e do mar três canais aquáticos e dois anéis terra, que originalmente serviam de defesa à população, porém, logo foram ligados por passagens subterrâneas, pontes e prs seus portos e estaleiros hospedando uma frota magnífica para talassocracia (governo). Pois assim como os atlantes fizeram grande progresso técnico e criaram um numeroso exército.
Com o apoio divino a raça dos atlantes multiplicou-se e alcançou e logrou imenso poderio. Nunca uma dinastia real houvera tantas riquezas.A ilha foi extraordinariamente rica em metais: ouro, prata, ferro, além do fabuloso orichalcum  (um metal mencionado em vários escritos antigos, mais notadamente a história da Atlântida como contado no diálogo Crítias filósofo nascido em Atenas), e sua flora, uma variedade infinita de plantas férteis, e fauna, animais de todos os tipos, incluindo elefantes, recursos e maravilhas oferecidas em quantidades ilimitadas. A arquitetura e engenharia competiam para mostrar o seu esplendor: as muralhas refletiam recobertas com ferro, prata e ouro; marfim e orichalcum incrustados em ouro nos templos, cercados por estátuas esplêndidas,  as movimentadas docas e grandes portos, o grande hipódromo, o parques verdes e piscinas completavam um espetáculo magnífico. 
Mas o esplendor, em parte, impulsionado pelas ambições imperiais dos atlantes que, intoxicados com luxo e orgulho, foram lançados com suas milhares de guerreiros e navios para submeter  a todos os países do Mediterrâneo. E quando quase tinha alcançado seu objetivo se chocaram com os atenienses na época, prontos para lutar em defesa da liberdade. 
Atenas antiga, protegido por Atena e Hefesto, uma cidade austera foi, então, organizada de acordo com leis rígidas e cívicas como Platão descreveu em seu projetos da cidade ideal. Aconteceu em uma única batalha, ter seu exército derrotado por um exército muito maior que de seus invasores atlânticos, com a mesma coragem heróica que muitos séculos mais tarde seria comprovado contra o vasto exército dos persas de Xerxes. A derrota encerrou o desejo do orgulho imperial Atlantis. E pouco depois toda a ilha desapareceu em um violento terremoto e um dilúvio extraordinário. Em um dia e uma noite, Atlantis desapareceu submersa no oceano. A grande catástrofe aparentemente foi um castigo dos deuses, um golpe do justiceiro Zeus, à ofuscante soberba e arrogância desenfreada. 
Todos conto mítico da Atlântida é uma fantasia na visão Platão, que nos conta em seus diálogos mais tarde,  no Timeu, Critias. A intenção do filósofo era se opor ao orgulho excessivo de um império déspota à coragem da sua cidade ideal, combatente da liberdade simples e heróica.  O esplendor ea riqueza urbana da cidade de Atlantis evoca as maravilhas das cidades orientais, como Babilônia e Susa; talassocracia atlântica,, o lendário poder naval da Creta Minóica.
 
A Atenas arcaica que Platão descreve é, como a cidade das suas leis, de reflexos espartanos. Além disso, o excesso desmedido do imperialismo atlântico evoca um compromisso demagógico do império Ateniense, que foi lançado um dia para a conquista da Sicília e teve fim trágico. Platão opõe-se a Atenas democrática e período ambicioso em prol da Atenas primitiva e virtuosa, educada de acordo com seus projetos utópicos. Para a sua lição com enredo mítico, introduzida com ironia inteligente, como uma narrativa que um sacerdote egípcio (como a memória preservada egípcios de um passado antigo contra os gregos com os sábios egípcios, geralmente as crianças) se refere a Sólon, o viajante sábio, que foi, então, Critias, o avô de Crítias, que, por sua vez, disse no Timeu. Eu vejo Platão, um tanto melancólico, ele amava os mitos e Critias, ele deixou inacabado, gosta de contar as maravilhas da Atlântida, uma ilusão que ele criou e destruiu.(Essa destruição por desastres naturais de inundações podem ser inspirados por histórias míticas. Alguns arqueólogos modernos suspeitamos que o cataclismo é um eco do grande terremoto que quase afundou Egeu na ilha de Thera em Santorini, e destruiu os palácios de Creta, no segundo milênio aC). 
Nem em seus sonhos, imaginou Platão a fascinação que seu exemplar de ficção suscitaria desde o começo da idade moderna, à cerca de dois mil anos depois de ter sido imaginada. A Nova Atlântida, por Roger Bacon (publicado após sua morte em 1627), e o famoso romance da Atlântida por Pierre Benoit (1919), são apenas os dois mais conhecidos exemplos literários das centenas e centenas de escritos sobre a ilha fantasma. Estes textos têm prosperado por mensagens exotéricas, romances utópicos e pela ficção científica. Inúmeros mapas de Atlantis basearam-se no oceano entre a Europa e América desde o século XVII, e os ecos e as sombras do mito da Atlântida resurgem em discussões e fantasias sobre o Novo Mundo e na antiga. 
Claro, os desaparecidos mitos, ingredientes de grande sedução: a Idade de Ouro, a ilha do paraíso (que combina a natureza generosa com o melhor da arquitetura), o brilho da geometria urbana perfeita, uma monarquia de origem divina e domínio dos mares, e para completar a sua fantasmagoria, a catástrofe surpreendente e misterioso final. Desta ilha maravilhosa deriva oceano imaginário agora temos no recente livro de Pierre.Vidal-Naquet, o Atlantis. breve história de um mito platônico (Akal), que monitora e analisa sua literatura despertar inesgotável, de séculos passados. É sem dúvida o melhor estudo crítico do assunto, e se junta à sua paixão ao tema, sua erudição admirável "[Extraído do Portal TV Peru ]" 
Sexto álbum da super banda alemã Eloy , publicado em 1977. Álbum conceitual que descreve a ascensão e queda da cidade mítica de Atlantis. Quatro temas que recriam ambientes dramaticamente diferentes, utilizando arranjos instrumentais e vocais maravilhosos. Sem dúvida, um álbum considerado uma obra-prima no gênero Space Rock Progressivo. 
Poucas bandas conseguiram uma uniformidade e homogeneidade tão grande como o Eloy, conseguiu.
No caso, uma banda mutante, que praticamente não conseguiu fazer mais que dois álbuns em seqüência com uma mesma formação, porém, tem em seu espírito uma unidade, que atende pelo nome de Frank Bornemann, uma figura inigualável, não só por seu talento e criatividade, mas principalmente pelo seu carisma agregador, fator fundamental para unir as pessoas em torno de um objetivo comum, no caso, a música.

O cuidado e o esmero das composições e arranjos música do Eloy, impressiona pelo nível de detalhes encontrados em cada musica, em cada instrumento, sendo esta, uma das características mais marcantes da banda e um indicador da presença imprescindível de Frank Bornemann em comandar as ações do grupo.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

David Gilmour


Por gentileza informe links quebrados - Please report broken links

Nome

E-mail *

Mensagem *