.

.

28/01/12

Asia Minor - Crossing The Line (1979)




Muhzun Gozler 

A gênese deste excelente grupo começou em 1971 com o guitarrista e flautista Eril Tekeli, o também guitarrista e cantor Setrak Bakirel, e o baterista Can Kozlu. Três estudantes turcos do "St. Joseph College", em Istambul. 

Setrak, foi um músico autodidata  muito influenciado por artistas do rock, enquanto Eril, que participara de aulas de flauta, foi influenciado pelo jazz. Uma fusão de ritmos ocidentais, mas imerso na cultura do Oriente. Eles decidiram formar um grupo, enquanto davam prosseguimento aos estudos na faculdade. 

Ainda em 71, eles ganharam dois prêmios de composição e interpretação em um concurso musical reunindo participantes de escolas do ensino médio de toda a Turquia. A fim de continuar com seus estudos, no entanto, os três decidiram emigrar em 1973. Eril e Setrak se estabeleceram em Paris e Can, em Genoble. Foi também um grande impulso artístico, pois a cena musical na Turquia era muito restrita para cumprir as suas ambições neste aspecto. 

Compartilhando os mesmos objetivos,  Eril e Setrak decidem formar um duo em 1974, sob o nome de "Layla", (referindo-se a canção de Eric Clapton, bem como um personagem da mitologia, Perion), e durante as férias da Páscoa,  ambos visitam Can em Genoble, e gravaram algumas faixas com ele. 

Algum tempo após esta sessão,  já em 1975, Can decidi ir para Paris juntar-se ao "Layla" seguido por um baixista chamado Hervé. Foi quando deram seus primeiros shows. Eles foram realizados no Centro de Juventude, "Teatro Mouffetard", e deram suporte aos músicos para um show de três noites no festival de Paris. Em 1976, Hervé deixa o grupo sendo substituído por um estudante colega de Setrak, Jean-Philippe Bottier. Desta feita, mudam o nome da banda para "Asia Minor Process". (Título escolhido por todo o grupo como uma referência das suas origens e do tipo de estilo musical que queriam desenvolver , inspirado pela cultura oriental.) 

Em 1977, Can, imbuído de outras diretrizes musicais, decide tentar carreira no Jazz, partindo para os Estados Unidos, liberando assim, espaço para o ingresso de Lionel Beltrami (Ex -"Atlantis", "Phenix" e "Graal"), um baterista de 16 anos, que chegou através de um pequeno anúncio que tinha colocado para uma vaga em uma banda de rock progressivo. Ele fez o teste em abril de 77, passou impressionando a todos, e se juntou ao grupo. Por sua sugestão, a banda então encurtou seu nome para a "Asia Minor".

Sua criatividade abriu novas perspectivas. Lionel era um baterista autodidata excelente, ele tinha começado a aprender bateria e piano aos treze anos e possuía uma técnica forte e um estilo naturalmente único. Tornou-se o parceiro ideal para o "Asia Minor". Quando da sua audição, teve apoio nos teclados, do músico e amigo , Robert Kempler. Lionel já o conhecia por tocarem um ano antes em um projeto  "Atlantis". Sua linguagem harmônica e rítmica foi de fato, um excepcional aditivo ao potencial da banda.

Ele chegou a sugerir o nome de Kempler para juntar-se ao "Asia" visando enriquecer a paleta sonora do grupo, mas na época entretanto o formato musical, um quarteto com dois guitarristas, refletia a escolha pessoal dos músicos. Eles estavam bastante satisfeitos com este convencional line-up, proporcionando aos homens de frente muita flexibilidade. Por isso, em principio os teclados foram excluídos, o papel desempenhado pelos duetos de guitarra entre Eril e Setrak, dominou as tendências. Algum tempo depois, Jean-Philippe Bottier deixou o grupo por motivos pessoais e Paul Levy, que também recrutado através de um anúncio, juntou-se no baixo.

Em 1978, outro prisma, com a colaboração do tecladista "Vincent Nicholas", o "Asia Minor" deu seus primeiros passos gravando algumas faixas que serviram de impulso para a criação de demos, o que quase os levou a um contrato com a "CBS". Mas o negócio não se concretizou, e os músicos decidiram lançar álbum de estréia por conta própria. Antes das sessões, outra surpresa desfavorável, sem mais, Levi renunciou, por isso o baixo teve que ser reescrito.

O álbum "Crossing The Line", onde "Eril Tekeli" e "Setrak Bakirel" são os autores de todo o material, incluindo as letras em inglês, mas com a fundamental colaboração dos outros dois membros do grupo, Lionel Beltrami, o baterista prodígio de 16 anos altamente técnico e Nick Vincent, soberbo nos teclados, estreou em 1979, trazendo no seu trabalho uma forte e brilhante tendência instrumental. Um progressivo de alto nível com sabor oriental.  Nivelam-se a flauta, guitarra, teclados e bateria com a mesma elegância, em músicas que brilham ao melhor estilo "Camel". Um álbum memorável que assim como seu posterior, eternizaram-se obras primas do art-rock criativo experimental, o que sem dúvida caracteriza a nata do progressivo. Boa audição!








Members:

  • Eril Tekeli / flute, guitars, bass 
  • Setrak Bakirel / lead vocals, guitars, bass 
  • Lionel Beltrami / drums, percussion 
  • Nick Vicente / keyboards

Vision

Tracklist:
  1. Preface (4:18) 
  2. Muhzun Gozler (8:13) 
  3. Mystic Dance (1:45) 
  4. Misfortune (4:30) 
  5. Landscape (3:50) 
  6. Vision (5:35) 
  7. Without Stir (1:50) 
  8. Hayal Dolu Gunler Icin (4:38) 
  9. Postface (2:00)

Total: 35:19

Hayal Dolu Gunler Icin

Mp3
narod.ru (87,91 MB)
filejungle (86.77 MB)
ou
FLAC (senha: onlyforlisten)
depositfiles (232.69 MB)
ifolder.ru (232.69 MB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

David Gilmour


Por gentileza informe links quebrados - Please report broken links

Nome

E-mail *

Mensagem *