.

.

26/07/12

Roger Waters concluiu sua turnê The Wall em Quebec


Roger Waters - The Wall, Quebec City, 2012


No último sábado, 21 de julho, "Roger Waters" concluiu sua turnê de "The Wall" em Quebec, no platô denominado Planícies de Abraão,  para cerca de 75.000 fãs em júbilo. "The Wall" foi reconhecida como um dos maiores e melhores concertos já realizados na história do rock. Sua organização ganhou elogios da indústria em seus vários segmentos sobre a individualidade da turnê, sua mensagem, e o espetáculo pelo desempenho grandioso.

momentos antes do show

Neste concerto ergueu-se a maior parede da turnê de "Waters" desde então, com algo em torno de 250 mts de altura, sendo equipada com som surround, luzes e pirotecnia, além de servir como pano de fundo às imagens impressionantes em beleza e sofisticação. "Há 40 anos, não poderíamos ter almejado um evento que pudesse proporcionar emocionalmente, musicalmente e teatralmente uma dimensão tão realizadora. Com a tecnologia disponível podemos", diz "Waters".



"The Wall" foi concebido por "Waters" e registrado pela primeira vez por "Pink Floyd" em 1979, vendeu mais de 23 milhões de álbuns desde então. O grupo posteriormente trouxe "The Wall" em turnê, realizando 28 shows em 1980, "The Wall" foi mais tarde adaptado para um filme produzido no ano de 1982 pelo diretor britânico Alan Parker, com roteiro escrito pelo próprio "Roger Waters". A revista Rolling Stone relacionou "The Wall" na 87ª posição em sua lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos.

image from http://thehollywoodminute.typepad.com/.a/6a00e55001693a88330176169bb3ef970c-pi

Em 2012 a turnê norte-americana teve 9 apresentações em estádios ao ar livre, incluindo locais lendários, como em Nova York, no Yankee Stadium , Boston no Fenway Park , e em Chicago no estádio Wrigley Field.

O Chicago Tribune declarou sobre "The Wall": "A individualidade da turnê, sua mensagem, e propriamente o espetáculo de seu desempenho, aflora os sentidos e invade pesadelos como poucos." Também, o The Village Voice elegeu "The Wall": "um dos concertos mais impressionantes da história do rock, ... Waters provou ser o George Lucas do prog rock."


O sucesso turnê, foi coroado com o prêmio Pollstar Concert Industry Award: Produção de Palco mais criativa , de 2012. O espetáculo proporcionado em sua qualidade musical e aporte tecnológico encantou a toda a mídia especializada, arrecadou mais de US $ 350 milhões desde 2010 e foi visto por mais de 3 milhões de pessoas. Não só foi a turnê de maior bilheteria em 2010, como detém a honra em 2012.

A tecnologia vai além dos palcos à cada um dos presentes na platéia utilizando através de pulseiras, um sistema de identificação por rádio freqüência (RFID) dentre outras possibilidades para promover a Anistia Internacional, causa literalmente incorporada a partir de "Roger", bem como pode-se em tempo real à qualquer pessoa transmitir mensagens tanto ao próprio "Waters", quanto para toda internet.

Roger Waters - The Wall em Quebec, 2012 - pulseiras
pulseiras

"Pulseiras na forma de ingressos RFID (Chip de radio freqüência e comunicação wireless), podem ser ligadas a seus perfis de redes sociais e, em seguida, utilizadas para o check-in, atualizar status e postais ou enviar fotos enquanto em um festival," Comentou um dos criadores do sistema, Serge Grimaux, para a revista Rolling Stone. O público será capaz de postar uma mensagem em especial sobre Anistia Internacional para "Roger Waters" durante a performance. As cerca de 75.000 pessoas presentes puderam usar as pulseiras entregues na entrada para o show.


Quebec City :: Roger Waters in front of 75,000 fans on the final night of The Wall tour.



O show começou energético com "In The Flesh" Em euforia total, multidão de Quebec delirava com a felicidade do evento. Fogos de artifício explodiam desde o início com projeções na parede do filme 'The Wall' . Um avião sobrevoa a platéia e bate no muro no final da canção. Você pode ver imagens gigantes ao vivo de "Waters" na parede. E com som quadrafônico.

Acompanhado por seus sete músicos e quatro cantores, Roger Waters tocou em um palco de grandes dimensões (340 metros), circundado por um lado de uma enorme parede branca de 728 pés que evoca "The Wall", que além de cantar, Waters tocou guitarra, baixo acústico e trompete.

Logo após "Thin Ice", mais momento sombrio, você pode ver imagens de pessoas anônimas que morreram nas guerras. A platéia cantou com Waters "Another Brick in the Wall (Part 1)", com o coral "The Happiest Days of Our Lives" acompanhando. Um grupo de jovens de Quebec com Waters acompanhado no palco, cantando o famoso coro " We do not need no education ", para o deleite da multidão. Um boneco gigante apresenta-se ao sua direita.


"Bonsoir Québec!" Roger Waters, se pronuncia em francês após o clássico. Ele dedicou o show para vítimas de terrorismo em todo o mundo, dando o exemplo de um jovem engenheiro brasileiro que foi assassinado na Inglaterra sob falsas acusações de terrorismo. "The descent to tyranny is powerful and fast ", disse ele para a polícia e os governos no geral. O público apreciava a sua sinceridade.

Aparece um vídeo de "Mother" dos arquivos e Waters dizendo: " Wish me shit " para em seguida, começar a tocar seu violão. O personagem "Mother" sentou-se imediatamente acima. Na parede, uma pergunta: Can you trust the government? A resposta na mesma parede: "No Fucking Way!"

O som estava super bem equilibrado durante toda a noite: não muito alto, nem muito baixo. Simplesmente perfeito. Você poderia até ouvir o show do outro lado do rio St. Lawrence em Lévis.

Em "Goodbye Blue Sky" projeções de aviões e vários símbolos recordaram a Guerra Fria e todos os seus horrores, um tema de destaque do álbum "The Wall". Em "Empty Spaces", do filme "The Wall" deixou o público nostálgico.


"Young Lust", deu um lado caracteriza um show de rock, denota o potencial do grupo de Waters, assim como "One of My Turns", d'outro mais melancólico e triste, como "Do not Leave Me Now."

A primeira parte do show terminou com "Another Brick in The Wall 3", "The Last Few Bricks" e "Goodbye Cruel World". Nessa altura, a parede é completa e bloqueia visão da cena, exceto a si mesma. Durante um intervalo de 30 minutos, foram projetadas na parede mais fotos e descrições de pessoas mortas durante a Segunda Guerra Mundial e outros conflitos.

Roger Waters e seus companheiros começaram a segunda parte do concerto com "Hey You" Em uma cena surreal: The Wall está diante deles e não se pode vê-lo. É como se o público estivesse entre Berlim Ocidental e Berlim Oriental à semelhança provocada neste momento do concerto. Incrível.

"Is There Anybody Out There?" têm versão acústica, The Wall permanece. O público está atento. O mesmo em "Nobody Home" e "Vera". O clima poderoso proporciona calafrios. A escolha das Planícies de Abraão era bastante adequada. Sem dúvida!

"Bring the Boys Back Home" remodelou o destaque sobre a Guerra e projeções grandiosas estavam em sintobia.


Roger Waters está de volta à frente no Muro em "Comfortably Numb"..Ele caminhou ao longo da parede, acenando para a multidão.

Assim, também em "The Show Must Go On". Em "In The Flesh" Waters manifesta sua visão das ditaduras no mundo que são duramente atingidas. Waters se vestiu como um ditador cruel, como no filme "The Wall", com projeções apontando para um regime de imitação nazista.

A multidão vibra ainda mais durante "Run Like Hell". A grande energia da multidão e os efeitos visuais deslumbrantes, é algo inesquecível.

"Wait for the Worms" teve o mesmo tipo de energia, mas menos alucinante. Visualmente, a marcha dos martelos era gigante. Concluído este espectáculo extraordinário: "Stop," "The Trial" and "Outside the Wall". The Wall cai depois de "The Trial" para o deleite dos espectadores. "Thank Quebec," diz "Roger Waters" movendo-se para o encerramento. "You are beautiful!"

Vinte e dois anos depois do show 'The Wall' de julho de 1990 no Portão de Brandemburgo, em Berlim, Roger Waters completa um novo ciclo. "It was a very good place to finish for us," disse ele. "Vamos nos lembrar desta noite para o resto de nossas vidas." Um verdadeiro cavalheiro Inglês.

Quebec tornou-se mais do que nunca um destino chave no cenário da música mundial.

O concerto foi também um evento intergeracional, onde os avós, netos, jovens e velhos estavam lado a lado em perfeita harmonia. Bonito de se ver!

Foi o quinto concerto considerando "Pink Floyd" e "Roger Waters" em Quebec, desde 1971.


Fonte: The "Huffington Post" - Quebec, Canadá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

David Gilmour


Por gentileza informe links quebrados - Please report broken links

Nome

E-mail *

Mensagem *