O ex-Pink Floyd co-fundador está registrando um marco histórico, primeira vez desde 1990, com um desempenho semelhante a 1979 quando obteve recorde em quatro cidades (Londres, Uniondale, Nova Iorque, Los Angeles e Dortmund, Alemanha), durante uma excursão em 1980-81.

Fãs que munidos de qualquer registro anterior, filme ou fotos tiradas a partir de performances anteriores do "The Wall" - ou os poucos privilegiados que realmente viram a primeira série de shows pessoalmente - provavelmente teriam reconhecido alguns dos adereços imponentes num espetáculo ambicioso em exibição aqui . Eles rugiram em êxtase por diversas vezes, mesmo após as luzes serem acesas para sinalizar o final do show de 135 minutos.

"Vocês são fantásticos", disse Waters, que foi de poucas brincadeiras, mantendo-se focado na performance. "Obrigado Toronto. Muito obrigado."

Lá estava o professor (boneco) enorme pendurado ao lado do palco durante "Another Brick In The Wall", mantendo-se a distância, enquanto um coral de 25 estudantes da Regente Toronto Parque Escola de Música cantavam ao fundo, uma recriação da performance de arrepiar do coral da escola Islington Green no registro original

.Roger Waters performs The Wall with members of the Regent Park Children’s Choir on the first show of the tour at the Air Canada Centre in Toronto. J.P. Moczulski/The Globe and Mail

Durante a "Mãe", uma matriarca sinistra inflável fez uma aparição como Waters mudou-se para a frente do palco para dedilhar uma guitarra acústica, enquanto que "Don't Leave Me Now" atuou um boneco gigante orando, fato que os fãs do filme "The Wall" de 1982 vão recordar da versão fantástica da protagonista mulher Pink.

E sim, o porco inflável gigante preto, também fez as rondas, desfigurado, com vários graffitis, marcas, slogans anti-empresariais e da banda a insígnia dos"martelos marchando ".

Talvez sem surpresa, o perfume da fumaça de maconha contagiou o ar da arena durante o show.

No transcorrer da primeira etapa do show, foi sendo construído um muro 73 metros de largura e 11 metros de altura de blocos retangulares na frente do palco. Gradualmente, o muro veio a obscurecer a banda, enquanto vários clipes de vídeo eram exibidos, projetados nos blocos brancos além de uma tela circular na parte de trás do palco (seqüências animadas da versão cinematográfica de "The Wall" foram exibidas ao lado de novas imagens).

A banda ficou para trás da parede durante a performance de "Hey You" no início da segunda metade do show. Durante "Nobody Home", uma pequena parte da parede declinoudo e lá estava Waters, largado em uma poltrona, cantando frente a uma TV de tela plana. E o solo de "Comfortably Numb" era realmente tocado de cima do muro.

Ele finalmente submergiu para o efeito dramático na sequência "O Julgamento", levando a multidão ao delírio em aprovação dos blocos sendo derrubados em todas as direções, caindo até a junto a primeira fila de fãs.

"The Wall" foi o 11º álbum de estúdio do Pink Floyd e, de longe seu maior sucesso comercial, tendo sido contemplado 23 vezes com disco de platina nos os E.U. e duas vezes de diamante no Canadá.

As canções - tão familiares aos milhares reunidos nesta quarta-feira - assumiram um postura exuberante enquanto ecoavam reflexos através do Air Canada Center, sendo que os momentos mais calmos também carregavam uma grandeza silenciosa..

"Há alguém aqui que é fraco?" ele disse antes de "Run Like Hell".

"Levantem as mãos!" ele os estimulou alguns momentos mais tarde.

Embora alguns previam um espetáculo inspirador para o benefício de sua grandeza, Waters teceu declarações políticas durante todo o show também.

No início deste ano, Waters havia concedido a banda baseada em Toronto Blurred Visions permissão para adaptar "Another Brick In The Wall" para uso como um hino para os jovens iranianos.

A banda - liderada por dois irmãos exilados iranianos - reformulou a letra para expressar o ressentimento por parte dos jovens em relação ao governo do Irã, onde é ilegal a tocar música rock. Um verso bem conhecido, foi alterado para "Hey, o aiatolá, deixe essas crianças em paz!"

Durante a "trazer de volta os rapazes em casa" na quarta-feira, imagens de pobreza piscavam através da tela durante "Goodbye Blue Sky", foi acompanhada por fotos das vítimas das guerras.

"Eu gostaria de agradecer a todos que enviaram suas fotos de entes queridos - vamos lembrar deles", dizia uma mensagem postada na tela assinada por Waters.

Mais tarde, imagens de políticos e especialistas em diversas séries de TV cintilaram na tela antes de um efeito digital aparecer a gritar aparecer rachadura no meio da tela.

O show transmitiu um vídeo que vazou de militares do assassinato de 2007, dois funcionários de notícias da Reuters no Iraque, exibido com o som na tela do palco.

Na verdade, Waters explicou em um programa comemorativo vendido ao redor da arena que o motivo por trás da turnê foi em grande parte político, dizendo que ele sentia da responsabilidade de expressar otimismo durante um período conturbado.

A banda de Waters para o show contou com Snowy White (guitarra), GE Smith (guitarra e baixo), Harry Waters (órgão), Graham Broad (bateria), Jon Carin (teclados) e Dave Kilminster (guitarra).

Waters está programado para tocar mais duas noites em Toronto. Ele também tem datas agendadas no Scotiabank Place de Ottawa em 17 de outubro, Bell Centre de Montreal, em 19 e 20 de outubro e em Vancouver Rogers Arena em 10 de dezembro.

A digressão europeia está agendada para seguir, o acondicionamento em 29 de junho de 2011.

Copyright The Canadian Press